008

Em alguns dos meus relacionamentos eu tendo a ser extremamente grudenta, tô tentando trabalhar isso, mas não é nada fácil mudar depois de 34 anos.  Já em outros, eu sou bem mais desapegada do grude e isso não significa que esse relacionamento seja menos importante. Muito pelo contrário! O principal exemplo é minha amizade com a Carla.

Somos parecidas, diferentes, amigas, distantes e próximas. Ela foi a primeira pessoa a saber da minha separação, por exemplo. É sempre a primeira a saber das minhas viagens e em grande parte do meu relacionamento de 15 anos com o ex, eu nunca sabia o que tinha falado com um ou com o outro. Aliás, ele cansava de falar “Você não me falou isso! Deve ter falado pra Carlinha.” porque sempre soube o quanto a nossa amizade é presente na minha vida.  Continuar lendo

Sou do time “copo meio cheio”

Hoje de papo com o namorado, que está em Machu Picchu me matando de inveja, eu percebi o quanto sou do time “copo meio cheio” e acabou de acontecer algo que só me fez comprovar a teoria.

Há mais de um ano eu caí no banho e machuquei bem feio o meu pé esquerdo. Esse foi um dos motivos que eu desanimei completamente de escrever no blog e esse pé vem me dando tanto trabalho que nem sei… Foram muitos dias de dores, inchaço, remédios, médicos e a ansiedade de ter ou não que mexer na cicatriz. Continuar lendo

Eu não gosto de ninguém de graça

eu-nao-gosto-de-ninguem-de-graca-desacelera-camila

Semana passada eu falei sobre desapegar sentimentos e eu sei o quanto isso não é fácil. Depende de paciência, foco e autoconhecimento. É um trabalho longo e que deve ser feito no dia a dia, com as pequenas coisas. Mas que não podemos esquecer de fazer porque quanto mais no agarramos em coisas que nos fazem mal, mais pra baixo ficamos, né?!

Uma das coisas que eu aprendi sobre mim mesma, nessa jornada de mais de 30 anos, é o que me faz gostar de verdade de uma pessoa. E nem estou falando de gostar no sentido amoroso, estou falando de todos os sentidos mesmo. Continuar lendo